Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

Parada

, e então ela passou - um pedaço do incontável - ou fui eu que passei?... Sussurrando sempre suave ao meus ouvidos, em perfeira harmonia com o que eu quis quando sabia querer. Não é isso o verdadeiro amor? Tinha nos olhos as compreensões mais harmônicas dosadas com aquela tristeza sensual em sorriso de Gioconda dançando atrás de cortinas e cortinas. E tive três minutos da mais clara felicidade esquecida no canto do ônibus, com a alma voltada para fora, projetada em janelas para o impossível real de uma ideia não pensada. E então ela saiu das minhas vistas, parada no momento que eu não consegui guardar .E. No vazio deixado pela sua presença as coisas foram caindo outra vez no lugar, pouco a pouco, passo a passo, cinzentas e mudas, estridentemente confortáveis como desde sempre.

Ben

As mãos que tecem o vestido do destino
habilidosas costuram os tempos e os caminhos
entre as fendas sem números
e os acasos oblíquos.

As mesmas mãos que bordam
as combinações mais sinuosas
criam retratos abstratos
e também é arte.

 As mesmas mãos que ferem
cortando o papel em palavras incertas
é aquela que atravessa
as linhas mais importantes.

 E as mãos que se juntam
em oração fundem
o passado e o presente
derretendo as distâncias
sem pesar dos espaços.