2 de agosto de 2009

Esperança

A brisa que sopra
nas rosas que brotam
no peito
do inevitável...

3 comentários:

Thales Capitani disse...

.

Quanta desolação em poucas palavras..
objetivo poeticamente alcançado

Narradora disse...

Se é inevitável, ainda bem que tem brisa.
Bjs

Lívia García disse...

Saudade eu, de ler coisa doce, de qualidade. espero que tenha voltado de vez ;)

.