24 de abril de 2008

Mal-parecer da civilização

Seu sorriso ácido
no fundo da minha garganta
minha resignação tácita
minha cabeça que não levanta

Formosura sem forma
pedestal de ossatura humana
Ainda assim todo mundo ama
Mia querida (,) amiga Ana

2 comentários:

Narradora disse...

Bem falado, "ainda assim todo mundo ama".
Ainda bem.
Bjs

Lívia García disse...

brilhante, só pra variar.
"Ainda assim todo mundo ama"

;) deixou saudades com o sumiço!
um beijão!

.